Novo aplicativo identifica pragas e doenças na lavoura de café

Publicado em: 02.09.2016

Ferramenta lançada pela Adama beneficia a lavoura de café e conta com mais de 70 mil usuários brasileiros

A cultura de café no Brasil está mais segura com a facilidade na identificação de pragas, doenças e plantas daninhas após o lançamento do aplicativo Adama Alvo, que auxilia o usuário com um vasto banco de dados com mais de 500 imagens de 134 alvos que prejudicam as lavouras de café do território brasileiro. Depois de dois anos e aproximadamente 77 mil downloads no país, entre produtores agrícolas, consultores e estudantes de Agronomia, o aplicativo (que antes era voltando para as culturas da soja, trigo, milho e algodão) encontra-se agora disponível também para a cultura de café. Com essa nova ferramenta, os usuários tem livre acesso para buscar informações sobre ciclo de vida, nomes populares e científicos, possíveis danos e produtos registrados que exterminem o problema identificado.

Para ter essa facilidade em mãos, é preciso instalar o aplicativo no smartphone iOS e Android, e seguir o passo a passo para ter total permissão às informações disponibilizadas. Isso feito, o cliente tem livre acesso ao programa sem precisar estar conectado na internet e, assim, poder usar livremente quando operar na lavoura de café. Vale ressaltar que a necessidade de conexão só será necessária no caso de buscar informações sobre a previsão do tempo ou enviar dúvidas para a equipe de suporte técnico da Adama.

“As perdas do agronegócio brasileiro com as pragas na lavoura podem chegar a R$ 55 bilhões por ano. Hoje, falamos na ‘agricultura de informação’, em que o produtor precisa cada vez mais de dados de qualidade para que ele tome as melhores decisões em sua lavoura”, avalia o gerente de Inovação da Adama Brasil, Roberson Marczak. Com a extensão do programa para a lavoura de café, mais agricultores, consultores e estudantes vão se beneficiar com o aplicativo no campo. É a tecnologia contribuindo com muitos produtores e o avanço no investimento na lavoura de café no país.

FONTE: Revista Cafeicultura.


Voltar