Hábito com o café pode ser genético

Publicado em: 31.08.2016

Estudo sugere que os genes podem ser responsáveis pelo hábito com o café

A Escola de Saúde Pública de Harvard, em parceria com o Brigham and Women’s Hospital, divulgou estudo científico em que sugere que a genética está totalmente relacionada com o seu hábito com o café, de maneira a determinar se você será um bom bebedor ou se nunca gostará da bebida. A metódica da pesquisa envolveu nada mais, nada menos do que 20 mil bebedores regulares de café e levou em consideração estudos prévios, adicionando dados de mais de 120 mil indivíduos. Como base, os pesquisadores e estudiosos usaram números que representaram a quantidade de café consumida por cada participante e, evidentemente, o mapeamento do DNA de cada um deles.

Os resultados mostraram que o hábito com o café pode ser definido a partir de seis variantes genéticas associadas ao consumo da bebida. De acordo com o site do jornal Independent, quatro deles relacionam-se com a forma que o corpo quebra as moléculas da cafeína e com a substância em si. Por outro lado, os outros dois variantes genéticos, mais especiais, estão relacionados a características como açúcar no sangue e níveis de colesterol no corpo. Para os líderes da pesquisa, os resultados demonstram que as pessoas, de forma totalmente natural e inconsciente, modificam a forma com que seus metabolismos reagem a ingestão de cafeína.

Em larga escala, as descobertas do estudo em Harvard permitirão um melhor entendimento sobre os diferentes efeitos da cafeína em organismos distintos e sobre as propriedades medicinais que o café possui, além de provarem que traços genéticos estão altamente relacionados com vícios e hábitos. De qualquer forma, de agora em diante, os ‘coffee lovers’ de plantão já podem eleger a ciência como grande ‘culpada’ por gostarem tanto da bebida.

FONTE: Mexido de Ideias


Voltar